Quinta, 17 Maio 2018 19:20

Avanços em Osteoporose

Palestra proferida pela médica Reumatologista Dra Maize F. B. Singh sobre os Avanços e Perspectivas no tratamento da osteoporose no auditório da APM Regional Itu no dia 17/05/2018

Quando o ganho de massa óssea é menor que a degeneração da mesma, o médico comunica o seguinte diagnóstico: osteoporose. A doença afeta principalmente os idosos, que muitas vezes não a percebem por um longo período. A osteoporose pode se desenvolver lentamente durante dez a 15 anos e, muitas vezes, só é constatada após uma fratura.

Frequentemente, as fraturas ocorrem no colo femural ou no ombro, após idosos perderem o equilíbrio, tropeçarem e caírem. Muitas vezes, à primeira vista, parece que a pessoa sofreu uma fratura simples, mas se a pessoa tem osteoporose, o mal costuma ser difícil de reparar.

Em um terço das mulheres acima dos 50 anos de idade, ou após a menopausa, os ossos se tornam frágeis devido à redução hormonal. Em geral, as mulheres são duas vezes mais afetadas pela osteoporose que os homens.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a osteoporose como uma das dez principais doenças da nossa era. No entanto, muitas pessoas seguem dando pouca importância à enfermidade, o que pode ser perigoso.

No pior dos casos, a osteoporose pode ser fatal. Foi comprovado que pacientes idosos que sofreram fraturas no quadril registraram nos cinco anos seguintes uma taxa de mortalidade significativamente maior que a de pacientes da mesma faixa etária e sem tal fratura óssea.

O motivo é, entre outras coisas, uma imobilidade prolongada. As pessoas afetadas geralmente têm que ficar muito tempo deitadas na cama. Em pessoas mais velhas, isso pode causar diversos problemas, como a manifestação de outras doenças, incluindo trombose e embolia pulmonar. Além disso, a imobilidade prolongada pode acarretar deficiências no sistema cardiovascular.

Fonte: Deutsche Welle Brasil

Avalie este item
(0 votos)